Header Ads

Ministério Público quer que PMs indenizem assaltantes!

Não tivemos acesso ao autos do processo. Por isso não podemos entrar no mérito da questão. Mas o fato nos chama atenção: policiais no exercício da função sendo obrigados a indenizar assaltantes.
O Ministério Público do Estado do Mato Grosso ajuizou pedido requerendo o pagamento de um salário mínimo em decorrência de abuso de autoridade praticado por policiais militares contra quatro suspeitos de assalto a uma concessionária em Cuiabá. Cinco PMs são alvos da ação oferecida pela 20ª Promotoria de Justiça de Criminal. Se condenados, os policiais deverão pagar R$ 880,00 aos investigados ou prestar dois meses de serviços comunitários.

A audiência preliminar foi realizada no dia 2 de fevereiro no Juizado Especial Unificado de Cuiabá. Na ação, o promotor do caso requereu o pagamento de um salário mínimo para cada suspeito envolvido na ocorrência. Se o pedido for indeferido, a promotoria requer a realização de serviços à comunidade por um período de dois meses. O membro do parquet concluiu que houve abuso de autoridade na abordagem dos policiais aos três suspeitos de assalto.
Os fatos ocorreram no dia 17 de outubro de 2016, quando três homens armados invadiram a concessionária Borges Veículos, localizada na cidade de Cuiabá, e renderam proprietários da empresa, empregados e clientes que estavam no local.

Na tentativa de fuga, os suspeitos usaram um veículo mas logo foram perseguidos por duas viaturas da polícia. Durante a perseguição, o motorista (um dos assaltantes) perdeu o controle do veículo e colidiu em uma calçada.
Ao avistarem os policiais se aproximando, os assaltantes efetuaram disparos de arma de fogo. Dos três assaltantes envolvidos, dois foram baleados e presos.


Manifestação.

Indignado, o cabo Rodrigo Ribeiro Leite, responsável pela prisão dos assaltantes, postou em suas redes sociais o interesse do Ministério Público em punir os PMs.
Em seu texto, o cabo da PM fala em “inversão de valores”.

“O Ministério Público ordenou que eu e as outras guarnições paguem um salário mínimo para os bandidos, porque eles foram torturados, que a PM agiu com truculência. Ainda, o bandido que eu consegui pegar, deu nome errado, depois lembrou seu nome no Ministério Público, e o bandido ainda tem credibilidade perante a sociedade? “, disse.

Veja as declarações do cabo Leite:
Imaginem só, o que nois PMs sofremos por várias inversão de valores, uma ocorrência padrão, roubo na Borges veículos, elementos invadiram a loja armados e truculentos com as vítimas, estavam os proprietários, clientes e funcionários da loja, foram subtraído vários pertences como anéis, celulares, relógios, documentos, é uma Hilux branca do proprietário. A minha Guarnição escutou no rádio uma Viatura do Cb. Toninho, informando que estava em acompanhamento de uma Hilux branca roubada, e os bandidos bateram a caminhonete e trocou tiro com a guarnição do Cb. Toninho, onde dois dos 4 elementos foram baleados, um na perna, e outro no pé, e uns dos 4 evadiu em direção a Av. do CPA, foi quando a minha Guarnição estava próximo aí eu com a minha astúcia e visão aguçada, consegui ver o outro foragido, prendemos e recuperamos um revólver calibre 38, e logo depois encaminhamos os 3 detidos e um foragido, recuperamos todos os pertences das 7 vítimas, só ficou com o prejuízo foi o dono, pois sua caminhonete os bandidos bateram.
Aí fui hoje em uma audiência no Jecrim, aí vi uma coisa que nunca tinha visto em 14 anos de PM, O Ministério público ordenou que eu e as outras Guarnições, temos que pagar um salário mínimo para os bandidos, porque eles foram torturados, que a PM agiu com truculência, ainda o bandido que eu consegui pegar, deu nome errado, depois lembrou seu nome no Ministério público, e o bandido ainda tem credibilidade perante a sociedade? O dono da loja levou um prejuízo de quase 20 mil reais para arrumar a caminhonete, todos eles foram torturados psicologicamente, chamados de vagabundos e em todo o momento falavam que iam matar, depois da ocorrência o Ministério Público ordena que os PMs que estavam na ação, indenizam os bandidos? País de inversão de valores.
Como PMs trabalham desse jeito, o que fazer?
Cb. Ribeiro Leite

Leia também:
Relação de Parentesco no Código Civil.
Diferença entre competência e capacidade tributária. 

Nenhum comentário: