Header Ads

Técnicas de Memorização Infalíveis para Concursos Públicos.

Estudar para concursos públicos é uma realidade para milhões de pessoas em todo o Brasil. O que grande parte dessas pessoas não sabe é que somente estudar não garante uma boa possibilidade de aprovação. Estudar é apenas um dos pilares do sucesso em concursos públicos. É preciso usar estratégias e técnicas de memorização para que o estudante não tenha o retrabalho de ler e reler os conteúdos infinitas vezes.
Os editais de concursos estão trazendo cada vez mais conteúdos a serem estudados pelos candidatos aos diversos cargos públicos. 
E isto requer assimilação rápida e eficiente das matérias que se acumulam até o dia da prova. E a chave para você conseguir esta façanha é a memorização eficaz, eficiente e efetiva.
Segundo os melhores dicionários, memorizar significa trazer informações à memória, retê-las e torná-las lembradas quando for preciso. Ou seja, memorizar vai muito além de decorar textos e fórmulas. Para se concluir todo o processo de memorização, é necessário:
  • Absorver o que está sendo estudado;
  • Guardar as informações de forma consistente em sua memória;
  • Fixar permanentemente o que foi aprendido, de uma forma tão poderosa que você se lembrará do que estudou sempre que precisar.

A maioria dos estudantes para concursos falha em algum desses pontos, principalmente na hora de fixar permanentemente os conteúdos estudados. Isso se dá porque eles acham que basta ler um texto mecanicamente para que ele seja lembrado posteriormente.
Vamos exemplificar isso!
No momento em que está lendo o texto deste artigo, você está assimilando tudo de forma fácil e eficiente. Mas isso não garante que, daqui a um ano, você se lembrará do que está lendo agora. Ao final da leitura, você também terá guardado na sua memória todas as informações que estou te repassando. Até aí tudo bem, ok?
O problema é: até quando você vai se lembrar do que leu aqui? Se eu apenas me conformasse em despejar palavras para você ler, garanto que você iria se lembrar por pouco tempo do que leu. Mas vou fazer algo diferente! Vou listar alguns assuntos abaixo e mostrar esqueminhas que irão "grudar" na sua memória. 😊
Inclusive, muitas das nossas dicas estão publicadas na nossa Fan Page do Facebook. Clique aqui para acessá-las.
Ao conferir as dicas, provavelmente, você irá achá-las interessantes. Porém, o mais incrível é o nível de fixação delas em sua memória de longo prazo.
O nosso cérebro é seletivo. Ele sempre está tentando fixar o que considera importante e descartar o que é supérfluo. Podemos constatar isto quando tentamos lembrar qual roupa vestimos ou o que comemos no almoço do dia anterior. Na maioria das vezes, estas informações são consideradas desnecessárias e, por isso, são "deletadas" pelo nosso cérebro.
Até aí não há problema. Mas...
Quando estamos estudando uma matéria que consideramos "chata" ou difícil, mas que irá cair no próximo concurso, nosso cérebro pode interpretar as informações como inúteis ou desnecessárias, fazendo com que nos esqueçamos rapidamente delas. Isso pode nos custar a reprovação por poucos décimos em uma prova.

Curva do Esquecimento.

O cientista Herman Ebbinghaus foi o pioneiro no estudo da memória. Ele realizou um estudo e concluiu que existe uma curva de esquecimento no processo de memorização. Veja o gráfico:

Assim, foi constatado que a quantidade de lembrança diminui com o passar do tempo. Isto é um processo natural e cientificamente comprovado pelo psicólogo acima mencionado.
Sabendo dessa realidade cruel, muitos concurseiros utilizam técnicas para driblarem esse esquecimento que pode ser fatal em concursos. Existem várias estratégias para se evitar o "branco" na hora da prova, tais como:
  • Revisões de conteúdos.
  • Uso de músicas.
  • Uso de cores.
  • Elaboração de resumos.
  • Elaboração de mnemônicos.

Mnemônico para memorização dos meses do ano que têm 30 dias.

Abaixo, passaremos a mostrar apenas uma das estratégias: os Mnemônicos! Eles são uma poderosa ferramenta que pode ser empregada no estudo de qualquer matéria. Os Mnemônicos são interessante porque o nosso cérebro é forçado a estabelecer conexões para a sua elaboração. Além do mais, eles são ótimos para revisões, haja vista que são conteúdos esquematizados. Desta forma, com uma simples "olhada" para eles, é possível entender as ideias que eles representam.
Segundo o Wikipédia:
Uma mnemónica (português europeu) ou mnemônica (português brasileiro) é um auxiliar de memória. São, tipicamente, verbais, e utilizados para memorizar listas ou fórmulas, e baseiam-se em formas simples de memorizar maiores construções, baseados no princípio de que a mente humana tem mais facilidade de memorizar dados quando estes são associados a informação pessoal, espacial ou de caráter relativamente importante, do que dados organizados de forma não sugestiva (para o indivíduo) ou sem significado aparente. Porém, estas sequências têm que fazer algum sentido, ou serão igualmente difíceis de memorizar.

Veja essa fórmula da Física (Movimento Retilíneo Uniforme):  S = So x V.T
Quem nunca olhou para a esta fórmula e não a associou à palavra Sorvete, atire a primeira pedra. 😤  
Memorização de conteúdos da Língua Portuguesa
Agora, vamos observar vários exemplos desta potente técnica de memorização aplicada aos concursos públicos!
Iniciaremos nossos exemplos através de mnemônicos aplicados à nossa querida Língua Portuguesa. Como já é do nosso conhecimento, ela é recheada de regras e exceções. Há quem diga que ela é um dos idiomas mais difíceis do mundo.
Pois bem, você deve saber que o emprego dos "porquês", varia de acordo com a posição ou função deles em uma frase. Mas o cruel mesmo é saber qual a forma correta de empregá-los em cada caso.
   1. O por que (separado e sem acento) é utilizado para fazer perguntas. Por exemplo: Por que você não estudou hoje?
   2. Já o porque (junto e sem acento) é utilizado para dar respostas. Por exemplo: Não estudei porque estou doente!
   3. Usa-se por quê (separado e com acento) no fim de uma frase ou antes de uma pontuação. Exemplo: Algumas pessoas não passam em concursos e eu não sei por quê.
   4. Por fim, o porquê (junto e com acento) é empregado como substantivo. Exemplo: Eu sei o porquê da sua reprovação.
Muita informação, não acha? Agora veja o mnemônico abaixo e diga se melhora ou não o entendimento...
Mesmo diante de tantas informações, o mnemônico se torna uma luz no fim do túnel (faz com que se cérebro aceite o conteúdo de forma mais amigável). A maneira como está resumida, aliada ao uso das cores, facilita a absorção e a fixação do conhecimento adquirido.
E, falando em cores, não perca o excelente artigo que preparamos aqui no blog:
Outro problema comumente enfrentado na nossa língua é diferenciar as palavras MAL e MAU.
MAL é um advérbio e, por isso, é invariável. Ex.: A mulher está mal informada.
MAU é um adjetivo e deve variar de acordo com o substantivo a que se refere. Ex.: A mulher não é uma má pessoa.
Entender estas regras parece fácil agora. Mas o que realmente importa é se, daqui a alguns meses ou anos, você vai ou não se lembrar delas. Isso poderá representar a diferença entre a aprovação e a reprovação em um concurso público que você poderá enfrentar daqui a seis meses, por exemplo.
Pois bem, para diferenciar MAL de MAU, faça analogias. Vamos com calma...
·         MAL é um advérbio (o oposto de BEM).
·         MAU é um adjetivo (o oposto de BOM).

Então, para saber qual a forma correta (MAL ou MAU), você deve sempre se perguntar se ela é o oposto de BEM ou BOM.
Voltando aos exemplos que acabamos de mencionar:
·         A mulher está mal (oposto de bem) informada.
·         A mulher não é uma má (oposto de bom) pessoa.

Tenho certeza de que, com a dica, seu entendimento melhorou. No entanto, você ainda não é capaz de memorizar essa regra para sempre. Mas isso irá mudar a partir do mnemônico abaixo, veja:

Observe e memorize as setas abaixo da letras U e L e relacione-as com as setas abaixo das letras O e E.
Fica fácil perceber que as setas das letras L e E têm o mesmo formato, ou seja, MAL é o oposto de BEM.
Por sua vez, as setas abaixo das letras U e O têm o mesmo formato arredondado. Portanto, MAU é o posto de BOM.
Se você memorizar esta técnica, nunca mais esquecerá esta regra.
Memorização de conteúdos de Raciocínio Lógico.
No estudo do raciocínio lógico, existem as proposições lógicas. Dentre elas, há as proposições condicionais. Por exemplo: se faz sol, então eu vou à praia.
Existem ainda as negações das proposições lógicas. No caso das proposições condicionais, para negá-las existe uma regra que estabelece que devemos manter a primeira parte da proposição e negar a segunda. Isso se torna fácil de assimilar agora, mas pode ser esquecido no futuro.
Porém, com um simples mnemônico, isso pode mudar: MA-NÉ. Veja o esquema:

Então, tudo fica mais claro e fácil com uma simples técnica de memorização. Vejamos mais exemplos a seguir.

Memorização de Conteúdos de Direito Previdenciário.
Quem não lembra da música da metralhadora, a qual foi exaustivamente tocada no carnaval 2016?! Quer você tenha amado ou odiado o "hit" da música, ela teve uma utilidade: criei um mnemônico a partir dela. ;-)
O Art. 101 da Lei nº 8.213/91 estabelece que a Previdência Social pode convocar o segurado afastado do trabalho e em gozo de auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez, para que ele se submeta a exames ou tratamentos médicos. No entanto, há dois procedimentos aos quais o beneficiário não é obrigado a se submeter:
·         Tratamento Cirúrgico e Transfusão de Sangue.

Percebeu o TRA-TRA? Não?! Então veja mais uma forma de memorização deste conteúdo:

Felizmente, as exceções podem ser relacionadas com a música para ajudar a sua memorização do conteúdo estudado.
Memorização de Conteúdos de Direito Constitucional.
A Constituição Federal estabelece que determinados cargos públicos somente podem ser ocupados por brasileiros natos. São os seguintes: Presidente da República (e o vice); Presidente da Câmara dos Deputados; Presidente do Senado Federal; Ministro do STF, Oficial das Forças Armadas; Membro de Carreira Diplomática e Ministro de Estado da Defesa.
São muitos cargos a serem memorizados, não acha?! Mas veja como tudo fica mais simples através da aplicação da técnica de memorização que já falamos aqui. Pense no seguinte: MP3.COM. Observe o quadro:

Outra pedra no sapato dos concurseiros é a memorização do número de membros que compõem os tribunais superiores, dentre eles:
Supremo Tribunal Federal >>> 11
Superior Tribunal de Justiça >>> 33
Superior Tribunal Militar >>> 15
Há outros tribunais e outros mnemônicos para a memorização do número de membros respectivos. Porém, para exemplificarmos, vejamos um quadro referente aos tribunais acima citados:

Portanto, você viu que existe uma infinidade de regras que podem ser cobradas em concursos públicos. Isso é uma péssima notícia. Porém, como uma moeda, tudo tem dois lados. Há também uma excelente notícia: tudo que é estudado pode ser esquematizado!
Os esquemas que mostrei acima foram meros exemplos. Qualquer um de nós tem plena capacidade para criar técnicas de memorização.
Talvez você pense que é muito difícil aprender a desenvolver estas técnicas. Mas criar estratégias pode ser simples, desde que você procure desenvolver suas habilidades de forma correta e orientada.
E é exatamente por isso que eu vou te indicar agora o curso Estudo e Memorização, ministrado pelo Prof. Renato Alves. Se você ainda não o conhece, saiba que ele é recordista brasileiro de memória e é reconhecido no Brasil e em vários outros países por causa da facilidade que tem em memorizar tudo o que deseja.

Conclusão
Nas atuais circunstâncias, o uso de técnicas de memorização se tornou imprescindível para que os estudantes logrem êxito nos concursos que enfrentam. 
Isso fica constatado pelo aumento do número de concorrentes às vagas no serviço público e pelo acúmulo de conteúdos que os editais de concursos estão promovendo.
Com mais de meio milhão de livros vendidos, Renato Alves, o homem com a melhor memória do Brasil vai te ensinar, através de videoaulas, a maneira mais eficiente de estudar e memorizar os conteúdos que você precisa para passar!
Clique aqui e assista à primeira aula do Curso Estudo e Memorização.
Espero que esse artigo tenha sido útil para você e, se foi, peço gentilmente que o compartilhe com seus amigos e familiares através das suas redes sociais ou pessoalmente. Tenho imenso prazer em produzir conteúdos que possam ajudar as pessoas de alguma forma.
Desejo que você consiga desenvolver as suas técnicas de memorização e fique cada vez mais preparado para passar nos concursos que almeja. Além disso, desejo que você mantenha-se sempre motivado para continuar na luta pelo seu cargo público, pois vai valer a pena todo o seu esforço empregado em prol do seu objetivo!
Um forte abraço. Bons estudos!

Nenhum comentário: